Tecnologia do Blogger.
RSS

You can replace this text by going to "Layout" and then "Page Elements" section. Edit " About "

Re: [Mar de Poesias] Recomeço

Como explicar-te!
Que a tua ausência não cabe em mim. (Plácido de Oliveira)

QUE LINDOOOOOOOOOO!!!


Em 23 de janeiro de 2015 07:04, Plácido De Oliveira <placidooliveira@gmail.com> escreveu:
Perdi-te!
De tão profundo que foi este meu não querer, só me encontrei no teu adeus.
Esqueci-me de ti nas pequenas e grandes coisas.
Nessa solidão estúpida em que sou sombra do teu sonho.
Fiz de errante ilusão a razão da minha invisibilidade.
Não duraste! Nada dura em mim mais que o fácil com a duração do pouco.
Na pele suam todos os silêncios de vozes que não me pertencem.
De dia sou nulidade, de noite não sou de um lugar nem de outro.
E no resto do tempo vivo tentando chegar às margens de ti.
Como não te posso esperar, se todo o meu tempo é saudade.
Sem ti não sou palavra, nem poema, nem absolutamente nada que valha a pena.
Como explicar-te!
Que a tua ausência não cabe em mim.
Que me dói o fim de um querer que permitiu a perda.
Que só existo na metade da vida que não inventei.
No púlpito da minha ignorância sou mero escravo de mãos ausentes.
Não te valorizei e nos teus restos não encontro forma de ser sozinho.
A minha solidão só em ti encontra adequada companhia.
Nunca escutei nem conversei com os teus segredos.
E sempre o meu egoísmo me exigiu ser parte deles.
No que não te disse acabei por falar o que devia ter calado.
Perdoa-me!
A imperfeição de ter vivido para a minha criação e não para mim.
Que se eu fui assim planeado quero o resto de mim que caiba no teu sonho.
Não posso lembrar-me do que esqueci mas todos os sonhos falam de ti.
Quero uma nova história, uma oportunidade num novo tempo. 
Deposito na esperança do perdão a minha única glória. 
Se no que agora desejo vires valor, esquece-me a mim.
O melhor de mim só existe fora da minha vontade.
Agora sou do tamanho que me quiseres dar e que em mim consigas ver. 
Mas consente-me este desejo do recomeço, porque nada mais me resta do fracasso.
E se este humilde grito não te trouxer de volta, 
que o que de mim em ti reste, por inteiro assim o guardes.
Porque se todas os vozes me levam ao caos da culpa,
todas as outras se calam porque de mim nunca partistes.

--
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Mar de Poesias" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para mardepoesias+unsubscribe@googlegroups.com.
Para postar nesse grupo, envie um e-mail para mardepoesias@googlegroups.com.
Acesse esse grupo em http://groups.google.com/group/mardepoesias.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

--
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Mar de Poesias" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para mardepoesias+unsubscribe@googlegroups.com.
Para postar nesse grupo, envie um e-mail para mardepoesias@googlegroups.com.
Acesse esse grupo em http://groups.google.com/group/mardepoesias.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

[Mar de Poesias] Recomeço

Perdi-te!
De tão profundo que foi este meu não querer, só me encontrei no teu adeus.
Esqueci-me de ti nas pequenas e grandes coisas.
Nessa solidão estúpida em que sou sombra do teu sonho.
Fiz de errante ilusão a razão da minha invisibilidade.
Não duraste! Nada dura em mim mais que o fácil com a duração do pouco.
Na pele suam todos os silêncios de vozes que não me pertencem.
De dia sou nulidade, de noite não sou de um lugar nem de outro.
E no resto do tempo vivo tentando chegar às margens de ti.
Como não te posso esperar, se todo o meu tempo é saudade.
Sem ti não sou palavra, nem poema, nem absolutamente nada que valha a pena.
Como explicar-te!
Que a tua ausência não cabe em mim.
Que me dói o fim de um querer que permitiu a perda.
Que só existo na metade da vida que não inventei.
No púlpito da minha ignorância sou mero escravo de mãos ausentes.
Não te valorizei e nos teus restos não encontro forma de ser sozinho.
A minha solidão só em ti encontra adequada companhia.
Nunca escutei nem conversei com os teus segredos.
E sempre o meu egoísmo me exigiu ser parte deles.
No que não te disse acabei por falar o que devia ter calado.
Perdoa-me!
A imperfeição de ter vivido para a minha criação e não para mim.
Que se eu fui assim planeado quero o resto de mim que caiba no teu sonho.
Não posso lembrar-me do que esqueci mas todos os sonhos falam de ti.
Quero uma nova história, uma oportunidade num novo tempo. 
Deposito na esperança do perdão a minha única glória. 
Se no que agora desejo vires valor, esquece-me a mim.
O melhor de mim só existe fora da minha vontade.
Agora sou do tamanho que me quiseres dar e que em mim consigas ver. 
Mas consente-me este desejo do recomeço, porque nada mais me resta do fracasso.
E se este humilde grito não te trouxer de volta, 
que o que de mim em ti reste, por inteiro assim o guardes.
Porque se todas os vozes me levam ao caos da culpa,
todas as outras se calam porque de mim nunca partistes.

--
Você recebeu essa mensagem porque está inscrito no grupo "Mar de Poesias" dos Grupos do Google.
Para cancelar inscrição nesse grupo e parar de receber e-mails dele, envie um e-mail para mardepoesias+unsubscribe@googlegroups.com.
Para postar nesse grupo, envie um e-mail para mardepoesias@googlegroups.com.
Acesse esse grupo em http://groups.google.com/group/mardepoesias.
Para mais opções, acesse https://groups.google.com/d/optout.

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS

Ano Novo, palestras, imagens

Caros,

Com a manifestação em favor de uma bela virada de ano e um ótimo 2015, encaminho link com minha palestra sobre Artaud e outras informações.

https://claudiowiller.wordpress.com/2014/12/31/video-da-palestra-sobre-artaud-um-brinde-ao-ano-novo/

Vejam também os dois posts anteriores, com imagens raras de praias do litoral paulista, entre 1960 e 64.

Forte abraço,

cjwiller@uol.com.br

claudiowiller.wordpress.com

 

  • Digg
  • Del.icio.us
  • StumbleUpon
  • Reddit
  • RSS